Ministro discute rumos de cooperação bilateral com embaixador holandês

Celso Pansera recebeu diplomatas dos Países Baixos. Representantes das duas nações se encontram na 2ª Reunião da Comissão Mista de Ciência, Tecnologia e Inovação, marcada para a semana que vem, em Brasília.

A cooperação bilateral entre Brasil e Holanda deve ganhar novos contornos na próxima semana, durante a 2ª Reunião da Comissão Mista de Ciência, Tecnologia e Inovação. O ministro Celso Pansera iniciou as discussões nesta quarta-feira (11), ao receber o embaixador do Reino dos Países Baixos, Han Peters.

Pansera reforçou a necessidade de dar continuidade aos esforços já existentes. “A ideia da minha gestão é intensificar bastante as relações bilaterais e multilaterais do Ministério”, declarou. “O Brasil domina mais áreas como biocombustíveis e polímeros orgânicos, em função do avanço da nossa agricultura e da riqueza da biodiversidade nacional. Precisamos buscar especialização nisso. Há muita demanda na Europa, inclusive.”

Na visão do ministro, o Brasil pode aprender com a Holanda em matéria de popularização da ciência e os dois países têm potencial de cooperar em estratégias de desenvolvimento sustentável, incluindo soluções para crise hídrica. Ele lembrou que o Governo Federal “está assumindo uma política arrojada” de reduzir em 43% as emissões de gases de efeito estufa até 2030 – proposta a ser levada para a 21ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP 21), em Paris.

Peters se colocou à disposição para “fortalecer cada vez mais” a cooperação bilateral do MCTI com instituições holandesas. “Vale a pena, porque se trata de uma parceria muito efetiva, que cresceu 19% na área de ciência desde 2010, e eu vejo que tem enorme potencial em inovação e tecnologia”, afirmou.

Agenda

O embaixador antecipou que uma delegação governamental holandesa deve visitar o Brasil em março de 2016, a fim de assinar a renovação de um memorando de entendimento entre o MCTI e o Ministério da Agricultura e Comércio Exterior dos Países Baixos, assinado em 2011. Na ocasião, também pode ser definida a continuidade de outro acordo, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI) com a Organização Holandesa para Pesquisa Científica (NWO, na sigla original).

Pansera recebeu de Peters uma cópia do relatório Colaborar para Inovar, elaborado pelo Conselho Consultivo para Ciência, Tecnologia e Inovação (AWTI, na sigla original). “Esse documento está no ar há dois meses e trata especialmente sobre a cooperação entre Brasil e Holanda”, contou, ao informar que representantes do AWTI conheceram instituições de pesquisa do País.

Acadêmicos e diplomatas das duas nacionalidades participam, na próxima quarta-feira (18), da 2ª Reunião da Comissão Mista Brasil-Países Baixos de Ciência, Tecnologia e Inovação, no Ministério das Relações Exteriores (MRE), em Brasília. A programação do evento sugere o aprofundamento das parcerias em aeronáutica, astronomia, bioeconomia, biocombustíveis, cidades sustentáveis, nanotecnologia, prevenção de desastres naturais e tecnologias da informação e comunicação (TICs) aplicadas ao esporte.

Também compareceram à audiência o conselheiro para Ciência, Tecnologia e Inovação do Consulado Geral dos Países Baixos em São Paulo, Nico Schiettekatte; o assessor para Inovação da Embaixada, Hans Dorresteijn; o chefe da Assessoria de Assuntos Internacionais do MCTI (Assin), Carlos Cardim; e o coordenador-geral de Micro e Nanotecnologias, Alfredo Mendes.

MCTI


VOLVER